quinta-feira, 16 de junho de 2016

ENERGIA DO MAR

por Camila Paulos | Edição 145
 Essa fonte tem uma vantagem sobre outras formas de energia sustentável: as ondas são constantes, diferentemente do vento e do sol, o que permite a produção regular de eletricidade, sem tanta oscilação. A primeira usina do tipo foi construída na França, em 1966, e, hoje, há pelo menos 15 operando pelo mundo, a maioria ainda não comercialmente. Uma dessas, a primeira da América Latina, está no Brasil, no Porto do Pecém, no Ceará. Desenvolvida pelo Laboratório de Tecnologia Submarina da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com tecnologia brasileira, ela ocupa uma área de 200 m2 e produz 600 kWh/dia, o suficiente para alimentar mais de 300 casas.
Laboratório submarino
Fernando de Noronha tem outro tipo de usina
O movimento do mar também tem sido aproveitado em Fernando de Noronha (PE), mas de forma diferente. Grandes pás flexíveis são movimentadas pelas agitações sob as ondas e acionam um pistão na base do equipamento, que empurra óleo por uma tubulação e ativa a turbina de um gerador. Tudo isso no fundo do mar, em uma profundidade de cerca de 20 m e a 300 m da praia. A energia é levada à ilha por meio de cabos submersos
MOTOR DE MARÉS
Ondas ativam sistema que joga água pressurizada em turbina
1. No mar, estão dois braços mecânicos com flutuadores nas pontas. A água agita os flutuadores para cima e para baixo, movimentando os braços: a subida significa aumento na pressão exercida, enquanto a descida causa diminuição. Essa pressão recai sobre uma bomba hidráulica instalada em terra
2. A bomba repassa a pressão para o acumulador pneumático. Trata-se de uma câmara preenchida parte por água doce (sem ligação com a do mar), parte por gás, sendo que as duas são separadas por um pistão. Quando a pressão vem pela tubulação, transmitida pela bomba, o pistão é empurrado para cima, abrindo passagem para que a água escape por um cano
3. Por esse cano, o líquido passa com uma força equivalente à de uma queda d¿água de 400 m de altura. Esse jato cai sobre as pás de uma turbina, igual às usadas em usinas hidrelétricas. Conforme gira, o gerador da turbina transforma a energia mecânica da água em energia elétrica, que é repassada para a rede por meio de cabos

Curiosidade: A escolha do local não foi aleatória: o mar do Ceará tem ondas regulares, o que ajuda a manter o funcionamento constante
CONSULTORIA Paulo Roberto da Costa, engenheiro e pesquisador, e Gustavo Araújo, diretor de infraestrutura de Fernando de Noronha
FONTES Ministério do Meio Ambiente, Governo do Estado do Ceará e Tribuna do Ceará





















Nenhum comentário:

Postar um comentário