segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

INDÚSTRIA DE ALTA TECNOLOGIA

O setor industrial de alta tecnologia  exige  mão de obra altamente qualificada, uso de equipamentos de produção precisos e eficazes e intenso investimento em inovação tecnológica e criativa. Abrange, por exemplo, as indústria que produzem aviões, equipamentos médico-hospitalares, relógios, computadores, televisores, chips, entre outras.
Em 2011, segundo informação do Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial) que utilizou dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)), o crescimento industrial brasileiro variou considerando o nível de complexidade tecnológica.
 Os tipos de indústria citados no primeiro parágrafo são setores que utilizam quantidade demasiada de tecnologia, e obtiveram um aumento de produção de 6,6% no último semestre de 2011, dado comparado com a produção registrada no primeiro semestre de 2010. Indústrias de baixo envolvimento tecnológico registraram queda de 1,6%. No geral, no Brasil, os segmentos de média-alta tecnologia cresceram 2,5%; e a indústria de média-baixa tecnologia cresceu 2,3%.
 A indústria brasileira de alta tecnologia foi beneficiada pelo câmbio e pela estabilidade de preços do mercado internacional, sendo um setor industrial que demanda de peças e componentes importados. Por outro lado, indústria de menor intensidade tecnológica é afetada pela queda do dólar, por não conseguir concorrer com melhores condições no mercado interno e externo.
 Porém, beneficiar a indústria nacional de alta tecnologia por meio do câmbio pode gerar o risco de desindustrialização, pois, quando determinado fabricante importa importantes peças de fabricantes estrangeiros há o desestímulo ao fabricante nacional de peças. A longa  valorização cambial desestimula as exportações e o desenvolvimento industrial de um país.
 Para incentivar a indústria de alta intensidade tecnológica, o governo brasileiro tem incentivado a compra de fármacos fabricados no Brasil pelo Ministério da Saúde, e a inclusão do tablet na Lei do Bem, lei aplicada para a incentivar a inovação tecnológica no país.
 Em 2011, o Brasil havia ocupado a sétima posição no mercado mundial de tecnologia de informática e comunicação que movimentou 165 bilhões de dólares em todo o mundo. No início de 2012, as indústrias nacionais de alto e médio nível de tecnologia registraram queda de 7,3% no nível produzido.
Fernando Rebouças.

Nenhum comentário:

Postar um comentário