quinta-feira, 28 de novembro de 2013

CANA DE AÇÚCAR NA AMAZÔNIA

Em maio de 2013, foi aprovada pelo Senado Federal, a lei 626/2011 que altera o ZAE (Zoneamento Agroecológico) da cana-de-açúcar, o que autorizará o plantio da cana na Amazônia Legal, no Cerrado  e Campos Gerais. A alteração  poderá deixar vulnerável diferentes áreas essenciais de nossos biomas.
cana de acucar na amazoniaOs defensores no Senado do plantio da cana-de-açúcar na Amazônia, acreditam que a expansão da mesma na região estimulará a produção de biocombustíveis, sendo necessário a ampliação das áreas de cultivo para atender a crescente demanda de etanol e açúcar no mercado interno e externo.
 Entre os ambientalistas, ONG’s estão recomendando que a lei não passe pela Câmara dos Deputados, muitos menos aceita pela Presidência da República. Segundo a WWF-Brasil, a expansão da cana-de-açúcar sobre a Amazônia traria mais malefícios ambientais do que benefícios econômicos, principalmente, para as comunidades locais.
 É essencial refletir sobre os projetos de desenvolvimento sustentáveis mais cabíveis para a Amazônia e uma política de biocombustíveis mais sólida e ambientalmente correta para o país. Nos anos 2000, o ZAE da cana trouxe avanços e desenvolvimentos significativos para o setor produtivo e para o respeito aos biomas, proibiu o cultivo da cana-de-açúcar na Amazônia Legal, Pantanal e na Bacia do Alto Paraguai. O ZAE original também possibilitou a implementação de melhores condições para a produção canavieira, pela redução da pressão sobre os ecossistemas protegidos.
 Em 2007, a Amazônia já possuía uma produção de 20 milhões de toneladas de cana ao ano, segundo dados do Centro de Pesquisa e Monitoramento da Embrapa, colocando em risco o equilíbrio ambiental em diversas áreas. Na região do Acre, o Álcool Verde tinha o projeto de produzir 45 milhões de litros de biocombustíveis a partir de 2008, com investimentos de 60 milhões de reais calculados na época.
 Em 2009, o ZAE da cana-de-açúcar restringiu o plantio, identificando 64,7 milhões de hectares aptos a produção da cana, sendo 19,3 milhões de hectares com alto potencial produtivo. Até 2030, o Plano Nacional de Energia prevê produção anual de 1,14 bilhões de toneladas de cana-de-açúcar, o que demandará uma área de 13,9 milhões de hectares. Calculando os 19,3 milhões de hectares já existentes, seria necessário expandir o plantio da cana-de-açúcar para a Amazônia e para o Cerrado?
Fernando Rebouças  

Nenhum comentário:

Postar um comentário