sexta-feira, 7 de junho de 2013

COLISÃO DE GALÁXIAS

Um dos fenômenos mais aclamados e esperado por estudiosos, cientistas e entusiastas do assunto, é a Colisão de Galáxias, que acontece no Universo com uma frequência maior que podemos imaginar. Devido a enorme dimensão do Cosmo o tempo de duração de uma colisão pode durar mais de um milhão a bilhões de anos. A Colisão entre Galáxias não pode ser observada a olho nu e sim somente com equipamentos especiais e de alta capacidade de alcance.
As colisões acontecem pois o Universo está continuamente em uma rápida expansão. Segundo dados do Telescópio Espacial Hubble, este tipo de fenômeno era mais frequente no passado, devido ao tamanho do Universo, que era menor.
O Observatório Espacial da Nasa, denominado Spitzer, no ano de 2007 captou a maior colisão já relatada na Astronomia, foram quatro galáxias que entraram na mesma rota de colisão, o que ocasionou e propiciou uma enorme explosão de cosmos estrelares. O resultado foi o conglomerado de apenas uma Galáxia, cujo tamanho é dez vezes maior que a Via Láctea, onde está o Sistema Solar, que abriga o Planeta Terra. Esta incrível colisão que ocasionou a fusão destas quatro galáxias foi descoberta pelo Telescópio Espacial, na ocasião de uma prospecção. As quatro galáxias se transformaram em uma única estrela, onde existe pouco gás.
Estudiosos e cientistas afirmam que em quatro bilhões de anos, haverá uma expressiva colisão entre a Galáxia de Andrômeda (chamada de M31), que possui massa duas vezes maior, e a Via Láctea, pois foi detectada uma velocidade de aproximação de 480.000 km/h. O estudo aponta que ainda não existem dados concretos que afirmem se será uma colisão frontal ou apenas uma interação.
Estudos recentes de Astronomos (divulgado por Roeland van der Marel, do STScl - Space Telescope Science Institute) relatam que a Via Láctea poderá passar por uma transformação em suas características originais, e que mesmo com a modificação da rotação do Sol, o Sistema Solar e a Terra não estarão em risco, com a aproximação da Galáxia de Andrômeda.
Anna Adami
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário