segunda-feira, 17 de junho de 2013

9 – A PRODUÇÃO DE ENERGIA NO MUNDO

O PETRÓLEO
Maiores reservas de petróleo
País
%
1.Arábia Saudita
21,0
2.Irã
10,9
3.Iraque
9,1
4.Kuwait
8,1
5.Venezuela
7,9
6.Emirados Árabes
7,8
7.Rússia
6,3
8.Líbia
3,5
9.Casaquistão
3,2
10.Nigéria
2,9
11.EUA
2,4
17.Brasil
1,0
O petróleo é um hidrocarboneto fóssil de origem orgânica encontrado em bacias sedimentares resultantes do soterramento de antigos ambientes aquáticos. Seus diversos subprodutos se apresentam em todos os estados de agregação: sólido (asfalto e plástico), líquido(óleos lubrificantes, gasolina, e outros combustíveis) e gasoso (gás combustível). Desde 1930, com a criação das primeiras industrias petroquímicas, o petróleo é uma matéria-prima importantíssima, pois dele se extraem vários substância que se tornam  fontes de matéria-prima para combustíveis, fertilizantes, tintas, plásticos, materiais de construção, produtos farmacêuticos, etc. sua utilização como fonte de energia se iniciou em 1859, na Pensilvânia (EUA)       , onde era utilizado na iluminação pública.
                Por ser líquido, o petróleo apresentou maior facilidade de transporte que o carvão mineral e passou a ser consumido em quantidades crescentes a cada ano. A partir do século XX, com a segunda fase da Revolução Industrial o petróleo se torna a principal fonte de energia no mundo. O aumento do consumo foi acompanhado pelo surgimento de centenas de companhias petrolíferas que atuavam em todas as quatro fases econômicas de sua exploração: extração, transporte, refino e distribuição. Com a invenção do motor a explosão e o seu uso em veículos, o consumo mundial de petróleo disparou. As empresas petrolíferas cresceram no mesmo ritmo de consumo, principalmente nos EUA e na Europa. Algumas dessas empresas se tornaram multinacionais e deram oportunidades para a formação de cartel no setor petrolífero em escala mundial. Em 1928, as sete maiores empresas do setor formaram um cartel conhecido como as “Sete Irmãs”, que dividiu o planeta em áreas de influencia, controlando a extração, transporte, refino e distribuição do produto pelo globo.
Maiores Exportadores
País
Milhões de toneladas
1.Arábia Saudita
399
2.Rússia
256
3.Irã
130
4.Nigéria
112
5.Emirados Árabes
105
6.Noruega
97
7.México
89
8.Angola
83
9.Kuwait
82
10.Iraque
81
O controle das “Sete Irmãs” sobre a produção petrolífera gerou grande reação em vários países do mundo que dependiam da importação do produto. Na tentativa de evitar o oligopólio das “Sete Irmãs”, diversas empresas estatais foram criadas e passaram a atuar diretamente nas quatro fases econômicas da exploração ou em uma delas. Entre os exemplos mais significativos estão  a Pemex (México), a PDVSA (Venezuela) e a ENI (Itália), além da Petrobrás, no Brasil. No inicio da década de 1960 na tentativa de diminuir o poder das “Sete Irmãs” foi criada a OPEP (organização dos Países Exportadores de Petróleo), fundada pelo Irã, Iraque, Kuwait, Arábia Saudita e Venezuela. em 1973, os países membros da OPEP promoveram um drástico aumento no preço do barril de petróleo (159 litros) de U$ 2,70 para U$ 11,20. Esse foi o “primeiro choque do petróleo”, que provocou crises econômicas em muitos países. A partir de então as “Sete Irmãs” perderam sua hegemonia sobre a exploração do petróleo e a OPEP passou a controlar, principalmente o preço do produto. Os países da OPEP passaram a utilizar o preço do petróleo para barganhar interesses políticos, provocando crises econômicas e  instabilidade geopolítica, principalmente no Oriente Médio, região com as maiores reservas mundiais.
                Na década de 1980 e 1990 com o aumento da produção mundial e com a substituição do petróleo por outras fontes de energia, envolvendo desta vez novos países exportadores e países importadores que diminuíram seu nível de compra, a cotação do barril de petróleo começou a cair, assim como o poder de influencia dos países membros da OPEP sobre a produção petrolífera. A partir de 1986, disputas internas na OPEP tornavam cada vez mais difícil estabelecer um acordo de preços e cotas de produção entre os países membros. Além disso, os EUA conseguiram fragilizar ainda mais a organização pro meio de favorecimentos comerciais com a Arábia Saudita (maior produtora mundial) e o Kuwait. Após a Guerra do Golfo em 1990, a Opep praticamente influencia muito pouco, porém isso não quer dizer que o mundo está livre de crises provocadas pela instabilidade do preço dos barris de petróleo que em consequência das crises de 2008 e 2009 chegou a custar 93 dólares.

CARVÃO MINERAL
                O carvão mineral foi a principal fonte de energia na primeira da Revolução Indústria durante os século XVIII e XIX. Entre as fontes não renováveis, o carvão é a mais abundante. Suas reservas conhecidas giram em torno de 826 bilhões de toneladas, enquanto o petróleo atinge 170 bilhões de toneladas. Entretanto, o uso do carvão mineral, acarreta sérios prejuízos ambientais, pois sua estrutura molecular contem enorme quantidade de carbono e enxofre que após a queima, são lançadas na atmosfera na forma de gás carbônico que agrava o efeito estufa, e dióxido de enxofre, grande responsável pela chuva ácida.
                O carvão mineral é uma rocha metamórfica e não deve ser confundido com o carvão vegetal, obtido da madeira carbonizada em fornos. No que se refere a sua utilização prática, o carvão mineral é utilizado em atividades siderúrgicas e na produção de energia elétrica em usinas termelétricas. Além de se constituir em fonte de energia, o carvão mineral é fonte de matéria-prima da indústria de produtos químicos orgânicos, como piche, asfalto, corantes, plásticos, inseticidas, tintas, náilon, entre outros. A China. A Austrália, a Rússia e a Índia são os mais produtores de carvão mineral no mundo, sendo que as maiores reservas se encontram na Rússia, China e América do Norte.

GÁS NATURAL
                Entre os combustíveis fósseis, o gás natural é o mais barato e apresenta uma queima quase limpa, que polui muito pouco a atmosfera, em comparação ao carvão mineral e ao petróleo. É uma fonte de energia muito versátil, que pode ser utilizada na geração de energia elétrica, nas máquinas e altos-fornos industriais, nos motores de veículos, nos fogões e nos aquecedores residenciais, entre outros. Dessa forma, vem sendo cada vez mais utilizado nos transportes, nas termelétricas, na produção industrial e no consumo doméstico. As maiores reservas mundiais de gás natural se encontram no oriente Médio e na Europa e seus maiores produtores mundiais são a Rússia, Estados Unidos e Canadá; e seus maiores consumidores a própria Rússia, EUAS e Canadá e os países do norte europeu.

ENERGIA ELÉTRICA
                A energia elétrica é produzida principalmente em hidrelétricas, termelétricas e termonucleares. Em qualquer dessas usinas ela é produzida por uma turbina, que consiste, essencialmente, num conjunto cilíndrico de aço, que gira em torno de seu eixo no interior de um receptáculo imantado. Na turbina, portanto, a energia cinética (de movimento) é transformada em energia elétrica. Nos diferentes tipos de usinas o que difere é a fonte de energia primária utilizada para mover as turbinas.
                Os rios que apresentam desníveis acentuados em seu percurso, chamados rios de planalto, tendem a apresentar potencial hidrelétrico aproveitável, principalmente se seu suprimento de água for garantido por clima e hidrografia favoráveis. Não é necessários quedas de água, mas desníveis que permitam a construção de uma barragem que forme uma represa e crie uma queda artificial. Trata-se de uma forma não poluente, barata e renovável de obtenção de energia, embora haja grande impacto ambiental por causa da construção das barragens e do consequente represamento da água. Os maiores produtos de energia hidrelétrica são a China, Brasil, Canadá, Estados Unidos e Rússia.
                A obtenção de energia elétrica por uma termelétrica é feita com maiores custos e com maior impacto ambiental, mas a construção de uma usina termelétrica requer investimentos menores do que uma hidrelétrica. O que faz a turbina funcionar em uma termelétrica girar é a pressão do vapor de água obtido pela queima de carvão mineral, gás e combustíveis derivados do petróleo, que aquece uma caldeira contendo água. Enquanto a fonte primária de uma hidrelétrica é a água, disponível no local onde está é instalada, a das termelétricas tem de ser extraída e transportada, o que encarece o produto final: a energia elétrica. Sua vantagem sobre a hidrelétrica é que ela pode ser instalada perto do mercado consumidor e não depende do relevo e da hidrografia, o que possibilita gastos menores na transmissão.
                Em 2007, as usinas nucleares foram responsáveis por cerca de 13,8% de toda a energia elétrica produzida no mundo. Apesar de não emitir gases poluentes a energia nuclear sofre forte pressão da opinião pública contrária a instalação de novas centrais, por problemas de segurança e do alto custo da destinação final dos rejeitos nucleares, o lixo atômico. Assim como no caso de uma termelétrica o que movimenta a turbina em uma usina nuclear é o vapor de água. Nesse caso, o que muda é a forma de aquecimento da água para a produção do vapor: em vez da queima de combustíveis minerais fósseis; é a utilizada a fissão (quebra) de átomos de uranio no interior de um reator. Países como França, Ucrânia, Coreia do Sul, Alemanha, Japão e EUA, apesar do custo elevado de instalação, funcionamento e conservação, é grande a produção de energia elétrica em usinas nucleares. Isso é resultado da impossibilidade de produção hidrelétrica devido as questões geográficas  de seus territórios, com exceção dos EUA. Apesar de apresentarem algumas vantagens em relação a outros tipos de usinas, as nucleares são potencialmente muito mais perigosas por utilizarem fontes primárias radiativas.
                Diversas formas de obtenção de energia elétrica vem sendo pesquisada e desenvolvida por vários países, mas a sua instalação e produção em larga escala ainda dependem da redução de custos como a energia solar, geotérmica, eólica, variação das marés, etc. A energia solar é utilizada na geração de eletricidade e no aquecimento de água, basicamente como fonte de luz e de calor, sendo uma ótima opção para atender a população que mora em localidades rurais sem acesso a rede de energia. Nas cidades, seu uso vem se intensificando nas residências, hotéis, hospitais, clubes e outros que buscam a redução da conta de eletricidade. Sua captação é realizada por coletores para o aquecimento e por células fotovoltaicas para converter a energia solar em eletricidade. Outra opção de produção de eletricidade alternativa é a energia eólica obtida do movimento dos ventos e das massas de ar. É uma forma limpa e renovável de obtenção de energia que está disponível em muitos lugares do planeta. A energia dos ventos é captada pelas turbinas eólicas, também chamadas de aerogeradores. Cada turbina conta com hélices de até três pás. Embora não sejam poluentes, as turbinas eólicas também provocam impacto ambiental, pois muitas vezes se localizam na rota de migração de pássaros.

BIOMASSA

                Biomassa é qualquer tipo de matéria orgânica não fóssil, vegetal ou animal, que possibilite obtenção de energia. Entres os produtos mais utilizados destacam o etanol obtido da cana-de-açúcar, da beterraba, do milho; o lixo orgânico que produz biogás; e os diversos tipos de óleos vegetais que podem ser transformados em biodiesel como a soja, dendê, mamona, algodão e trigo.  A utilização de biomassa como fonte de energia é muito antiga, remonta ao tempo em que o ser humano controlou o fogo e começou a queimar lenha. Atualmente, vem aumentando bastante o seu consumo por causa da instabilidade do preço do petróleo e, por em geral, apresentar uma queima menos poluente que a dos combustíveis fósseis. Hoje em dia ela considerada uma das principais alternativas na busca por uma maior diversificação na matriz energética viando reduzir a dependência dos combustíveis fósseis, porque possibilita a obtenção de energia elétrica e de biocombustíveis. O etanol e o biodiesel são combustíveis não tóxicos e biodegradáveis, além disso, por serem isentos de enxofre em sua composição não causam chuva ácida. A expansão da produção e do consumo dos biocombustíveis depende muito do preço do petróleo. Quando aumenta o preço deste, há a tendência de busca de fontes mais baratas e os biocombustíveis ganham competitividade: ao contrário na época em que cai o preço do petróleo, os biocombustíveis perdem mercado. Um dos aspectos negativos da biomassa é que ela pode elevar o preço dos alimentos, já que sua matéria-prima também é fonte da indústria alimentícia e, a disputa entre usinas e essas indústrias podem elevar o preço dos alimentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário