terça-feira, 25 de junho de 2013

O TERRORISMO DA ALQAEDA E A GUERRA DO AFEGANISTÃO

A Al Qaeda, que em Árabe significa a “base”, foi o grupo responsável pelo maior ataque terrorista da História, ocorrido em 11 de setembro de 2001 contra os Estados Unidos. Após esse atentado se transformou no mais atuante e temido grupo terrorista da atualidade. A Al Qaeda nasceu em 1980, quando Osama Bin Laden ajudou a formar combatentes islâmicos que foram lutar no Afeganistão contra a ocupação soviética (9179-1989). Os mujahedins, como eram conhecidos receberam apoio financeiro de Bin Laden, de diversos países árabes, do Paquistão e dos EUA. Os estadunidenses ainda forneceram armas e treinamento militar.
                Com a expulsão dos soviéticos, instaurou-se uma luta pelo poder no Afeganistão até a vitória em 1996 do movimento Taleban, grupo fundamentalista islâmico. O Taleban foi  organizado nas escolas religiosas islâmicas do Paquistão e seu líder máximo é o mulá (titulo de líder religioso islâmico). No controle do Afeganistão, o Taleban passou a dar suporte à causa antiamericana de Bin Laden, que montou ali o quartel general da Al Qaeda, abrigando diversos centros de treinamentos terroristas.
                Após os ataques de 11 de setembro de 2001, o governo estadunidense exigiu do Afeganistão a entrega de Bin Laden. Como o mulá Mohammed Omar não cumpriu a exigência, em outubro do mesmo ano, os EUA, apoiados pelos ingleses, iniciaram um ataque aéreo contra o país. Paralelamente, deram apoio à Aliança do Norte, grupo guerrilheiro composto por diversas etnias que tinham em comum a oposição ao governo do Taleban. Com o apoio anglo-americano, a Aliança do Norte foi conquistando territórios até tomar a capital Cabul, em novembro de 2001. Omar fugiu para as montanhas do Paquistão e o Taleban acabou deposto. O líder moderado da etnia pasthun Hamid Karazai foi escolhido para governar o país. Em 2002 foi instituída a Missão das Nações Unidas de Assistência ao Afeganistão (Unama) e, em 2004 foram realizadas eleições diretas com a vitória de Karazai.
                Entretanto, o governo de Karazai não controlava o país totalmente, mas apenas a capital Cabul e algumas regiões próximas. Parte do território continuava controlada por milícias locais, sob a liderança de senhores da guerra de diversas etnias. Na fronteira com o Paquistão, militantes do Taleban e da Al Qaeda articularam uma resistência ao governo central e a ocupação estrangeira. O Paquistão, antes aliado do Taleban, após a sua queda passou a dar apoio aos EUA. Porém, com a captura de Bin Laden em território paquistanês em 2011, se colocou em dúvida o real lado do governo paquistanês que negou saber da existência de Bin Laden em seu território.

                A morte de Bin Laden não significou o fim da Al Qaeda que difere dos demais grupos terroristas por não possuir uma base territorial fixa. Atuam em rede, em células espalhadas em vários países, as quais se articulam para um ataque e depois se desfazem. Células da Al Qaeda foram responsáveis por diversos ataques terroristas pós 11 de setembro de 2001, entre os quais se destacam um ataque suicida num hotel em Monbasa no Quênia; uma bomba instalada em um resort em Bali, na Indonésia; explosão simultânea de quatro trens em Madri, na Espanha; três explosões provocadas no metrô e em ônibus de passageiros em Londres, na Inglaterra.(Adaptado de Eustáquio de Sene e João Carlos Moreira. Geografia Geral e do Brasil 2, p.88-90).

Nenhum comentário:

Postar um comentário