quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

FORMAÇÃO DOS VULCÕES

Os vulcões são responsáveis pela liberação de magma acima da superfície da crosta. Eles funcionam como válvulas de escape do magma (rocha em estado ígneo) e dos gases que existem na camadas mais interiores da Terra.
Tais materiais encontram-se sob altíssima pressão, assim como sob elevadas temperaturas. Diz-se, ainda, que o movimento das placas tectônicas pode causar as erupções vulcânicas.
Os vulcões resultam de uma fusão parcial, sob condições específicas, dos materiais das profundas camadas do interior do Planeta, fusão que produz o magma, expelido através de uma cratera ou fenda. As zonas onde ocorre esta fusão parcial estão ligadas à dinâmica do globo, e a distribuição dos vulcões na face da Terra é explicada de modo coerente pela teoria das placas tectônicas.
Em alguns casos os vulcões ocorrem em "ponto quente" no meio das placas tectônicas, como o caso do campo vulcânico no parque nacional de Yellowstone nos Estados Unidos ou das ilhas Havaianas.
Os vulcões marcam os grandes acidentes da litosfera e sua localização é classificada em função dos movimentos gerados pelo deslocamento das placas: zonas de divergências ou de abertura, como as dorsais oceânicas ou certas bacias de afundamento, zonas de convergências ou de subducção, que dão origem aos arcos insulares (Japão, Ilha de Sonda) e às cordilheiras de limites de placas (Andes); zonas "intraplaca", delimitadas pela existência de fissuras locais na crosta terrestre.
A profundidade e a composição dos materiais submetidos à parcial determinam a composição das magmas. Assim, o magma resultante de vulcanismo ligado às zonas de divergências é de natureza toleítica; o proveniente de vulcanismo ligado à subducçaõ é calco-alcalino; e o originado de vulcões intraplaca é essencialmente alcalino.
Os produtos vulcânico são classificados segundo a composição química e mineralógica ou segundo propriedades físicas. Distinguem-se assim, as lavas, as projeções e os gases.
As lavas é a parte líquida do magma; ela forma o derramamento ou a extrusão, de acordo com sua maior menor viscosidade. Em geram, as lavas básicas são mais fluidas que a ácidas, que se solidificam rapidamente e são freqüentemente cheias de bolhas.
As projeções resultantes das fases explosivas são classificadas em função de suas dimensões em : bombas, escórias, lapíli (produtos sólidos provenientes das erupções vulcânicas, do tamanho da avelã), cinzas e poeiras. A cimentação dessas projeções forma os tufos vulcânicos (qualquer dos produtos de projeção vulcânicas que se hajam consolidado). Os gases dissolvem-se na água ou na atmosfera, interferindo sobremaneira na evolução destas.
Onde duas placas movem se afastando, as erupções vulcânicas não são tão explosivas, gerados apenas rios de lavas mais fluida com entre 1 e 10 metros de espessura que se espalham por vastas áreas. Neste caso formam-se vulcões com bases maiores e mais inclinados. Os vulcões na Havaí e Islândia são exemplos típicos desse tipo de vulcão.
O mesmo não acontece quando as placas colidem. Nesse caso as erupções são violentas. A lava é grossa e viscosa, e nuvens de gás, poeira e fragmentos de lava podem ser lançados na atmosfera. O magma esfria rapidamente e acumula-se em volta da fenda, formando vulcões mais altos com os lados íngremes e com o diâmetro do cone central menor.
A colisão da placas na crostas oceânicas produziu arcos de ilhas, como as Antilhas e as ilhas japonesas.
A maioria dos mais altos são, na verdade, uma composição dos dois tipos descritos acima. São formados por um ciclo de pequenas erupções de lava fluida, que cria uma base resistente e extensa, seguida de erupção explosiva que forma um cone central resistente.
No passado grandes explosões de lava fluida de complexos sistemas de fissuras aconteceram e formaram extensos platôs de até 130,000 Km², como é o caso Platô Columbia nos estados de Oregon e Washington nos Estados Unidos. Erupções ainda mais volumosas, embora quietas acontecem até hoje no fundo dos oceanos, onde o pavimentos está em constante formação.
Vulcões com erupções são chamados ativos, e aquele onde ocorrem mais erupções são os extintos. Os vulcões apresenta, períodos de "repouso" (fase de letargia) mais ou menos longos (de100 a 10 mil anos podendo chegar a até 100 mil anos).
Os vulcões são responsáveis pela formação de rochas ígneas, também chamadas eruptivas, magmáticas ou vulcânicas. Elas nada mais são do que a lava solidificada. A lava geralmente sai do vulcão a uma temperatura de 850º a 1250º C. Normalmente a lava inclui alguns cristais flutuantes no material líquido. Se a lava esfria devagar os cristais podem ter tempo para crescer.
Os vulcões também são responsáveis pela formação de montanhas.
A forma dos edifícios vulcânicos depende da dinâmica, isto é, das propriedades físicas dos produtos emitidos, assim como da profundidade (entre 5 a 20 Km) e do volume da câmara ou reservatório magmático.
As erupções vulcânicas podem ser brutais. Dentre as mais mortíferas, destacam-se as erupções do Krakatoa, na Indonésia (1883); a do monte Pelée, na Martinica (1902) e a do Nevado del Ruiz, na Colômbia (1985).


sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

INVASÃO DE PRODUTOS CHINESES NO BRASIL

A partir dos anos 2000, a China se tornou no principal parceiro comercial do Brasil, porém, além de comprar as commodities brasileiras, passou a vender mais para o nosso país. Esse cenário comercial entre China e Brasil começou a preocupar a indústria brasileira.
A invasão de produtos importados foi iniciada após o lançamento do Plano Real em meados dos anos 1990, e intensificada nos anos 2000 com a estabilidade econômica brasileira e a depreciação do dólar a partir da crise financeira dos EUA em 2008. Com o real mais valorizado, as empresas nacionais se tornaram menos competitivas perante os produtos importados da China no mercado externo e interno.
Apesar da questão monetária, a China é um país que produz com baixo custos tributários, e com baixo nível de barreiras comerciais em comparação ao Brasil. Segundo relatório da Cdib (Comissão de Defesa da Indústria Brasileira), nos anos 2000, diversas empresas nacionais fecharam a partir do crescimento das importações chinesas.
A falência atingiu empresas de diferentes setores: peças, tecidos, brinquedos, ferramentas, eletroeletrônico e até de escovas de dentes (higiene pessoal). Segundo a instituição, a falência de uma fábrica gera perda de postos de trabalhos para técnicos e especialistas. Para os economistas, o Brasil pode estar iniciando um processo de desindustrialização.
Quando um produto chinês é comprado, um produto brasileiro encalha e se exclui a possibilidade de emprego no Brasil. A compra de um produto chinês gera emprego na China. Mas, a escolha de um produto chinês, é incentivada pelo preço final do produto importado.
O Brasil possuía três empresas de produção de ímã ferrite, muito utilizado em alto-falante, a partir da importação dessa peça da China, hoje, no Brasil,resta apenas uma fábrica nesse setor. No início de 2012, foi realizada uma reunião para analisar a invasão de produtos chineses no mercado latino-americano, o evento foi organizado pelo Conselho Empresarial Brasil-Argentina, com o aval da CNI (Confederação Nacional da Indústria).
O Conselho Empresarial Brasil-Argentina foi criado pelos governos do Brasil e Argentina para tentar barrar o avanço dos produtos chineses na América do Sul, o conselho é formado por representantes da CNI e da instituição similar argentina, a UIA (União Industrial Argentina).
Fernando Rebouças
 


quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

BRASÍLIA

Brasília é a capital federal do Brasil e a sede do governo do Distrito Federal. A cidade está localizada na região Centro-Oeste do país, ao longo da região geográfica conhecida como Planalto Central. No censo demográfico realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2010, sua população era de 2 562 963 habitantes, sendo então a quarta cidade brasileira mais populosa. Brasília também possui o segundo maior PIB per capita do Brasil (45 977,59 reais), o quinto maior entre as principais cidades da América Latina e cerca de três vezes maior que a renda média brasileira.
Como capital nacional, Brasília é a sede dos três principais ramos do governo brasileiro e hospeda 124 embaixadas estrangeiras. A cidade também abriga a sede de muitas das principais empresas brasileiras. A política de planejamento da cidade, como a localização de prédios residenciais em grandes áreas urbanas, a construção da cidade através de enormes avenidas e a sua divisão em setores, tem provocado debates sobre o estilo de vida nas grandes cidades no século XX. O projeto da cidade a divide em blocos numerados, além de setores para atividades pré-determinadas, como o Setor Hoteleiro, Bancário ou de Embaixadas.
O plano urbanístico da capital, conhecido como "Plano Piloto", foi elaborado pelo urbanista Lúcio Costa, que, aproveitando o relevo da região, adequou-o ao projeto do lago Paranoá, concebido em 1893 pela Missão Cruls. A cidade começou a ser planejada e desenvolvida em 1956 por Lúcio Costa e pelo arquiteto Oscar Niemeyer. Inaugurada em 21 de abril de 1960, pelo então presidente Juscelino Kubitschek, Brasília tornou-se formalmente a terceira capital do Brasil, após Salvador e Rio de Janeiro. Vista de cima, a principal área da cidade se assemelha ao formato de um avião ou de uma borboleta. A cidade é comumente referida como Capital Federal.
No senso comum, a palavra "Brasília" normalmente se refere apenas à Primeira Região Administrativa do Distrito Federal (DF), onde os edifícios governamentais mais importantes estão localizados. A capital tem um estatuto único no Brasil, já que é uma divisão administrativa, em vez de um município, como quase todas as outras cidades do país. Nacionalmente, o nome da cidade é quase sempre usado como sinônimo de Distrito Federal, que constitui uma unidade federativa indivisível, análogo a um estado. Há várias "cidades-satélites", que também fazem parte do DF.
Fonte: Wikipédia.

 


quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

ACEGUA


Acegua, palavra de origem guarani que quer dizer "local de descanso eterno" é uma cidade do Rio Grande do Sul, distante 428 km de Porto Alegre.
 
Localização
Sudoeste rio-grandense –  Campanha Meridional
Área
1.549,5 km²
População
4.394 hab. censo IBGE 2010.
Densidade demográfica
2,8 hab./km²
PIB
R$ 92.000.000,00
PIB PER CAPTA
R$ 21.196,00
Atividade Econômica
Agropecuária.
Fundação
16/04/1996.

Fontes: IBGE, Wikipédia e www.acegua.rs.gov.br/

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

BÁLTICO

A região do Báltico localiza-se a nordeste da Europa e recebe tal nome por ser banhada pelo mar Báltico, que ocupa o litoral da Suécia (país integrante da península escandinava), Finlândia, Rússia, Estônia, Letônia, Lituânia, Polônia, nordeste da Alemanha e o leste da Dinamarca e suas numerosas ilhas. Nesta região, três destes países são caracterizados como “países bálticos“. São eles: Estônia, Lituânia e Letônia.
Geograficamente, estes três países têm muito em comum, com florestas e lagos cobrindo boa parte de suas áreas rurais. Existem aproximadamente 2800 lagos somente na Lituânia, muitos deles glaciais. Na Letônia merece destaque o Parque Nacional Gauja, que abriga uma vegetação exuberante, com linces, lobos, e a maior população de castores da Europa. A superfície da Estônia é composta 50% de florestas, 5% de lagos, além de 1500 ilhas, entre elas Saarema, que é mencionada nas sagas escandinavas e que resistiu a inúmeros ataques vikings.
Os estonianos e os livônios (povo quase extinto atualmente, assim como sua linguagem) são descendentes dos finlandeses do Báltico, e compartilham línguas relacionadas, além de uma herança cultural comum. Já os letões e lituanos, estão ligados linguística e culturalmente, e são descendentes dos baltos (ou bálticos), um povo indo-europeu.
Os primeiros habitantes da região são conhecidos como baltos (bálticos), que chegam à região por volta de 3500 e 2500 a.C. Em 98, Tácito descreveu uma das tribos que vivem perto do Mar Báltico (Mare Svebicum) como “aestiorum gestes”, coletores ambar. Por volta do ano 1000 e nos cerca de 500 anos seguintes os países bálticos estiveram sob a influência da Liga Hanseática, uma organização de comerciantes, da qual Riga (Letônia) era seu maior posto de comércio a leste. No século XIII, o cristianismo e o feudalismo foram efetivamente impostos à região das modernas Estônia e Letônia por meio da invasão dos cruzados do ocidente e da conversão dos governantes da Lituânia do paganismo ao cristianismo.
Em 1589, enquanto a Letônia e a Estônia permanecem na Liga Hanseática, a Lituânia se junta à Polônia. Em 1795, após uma nova partição da Polônia, a Lituânia e os outros dois países bálticos são anexados ao Império Russo, e assim permanecem, até emergirem como nações independentes, no rescaldo da Primeira Guerra Mundial, de 1918-1920, apenas para ser brutalmente subjugados pela União Soviética comunista por mais 50 anos após a Segunda Guerra Mundial. As últimas tropas russas se retiraram em agosto de 1994 e as três nações têm sido membros da União Europeia e da OTAN desde 2004. Hoje os três países formam democracias liberais, cujas economias de mercado estão passando por uma rápida expansão.
Emerson Santiago



segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

ARQUIPÉLAGO DE GALÁPAGOS

As Ilhas Galápagos ou Arquipélago de Colombo, como também são conhecidas, constituem um total de 13 ilhas maiores, 6 menores e mais de 40 pequenas ilhas; de todo esse território, 8.010 km², situado a cerca de mil quilômetros a oeste do litoral equatoriano, no Pacífico, somente quatro são povoadas.
Este arquipélago  encontra-se em terras do Equador; seu âmbito administrativo está sob a alçada da província de mesmo nome, que tem como capital Puerto Baquerizo Moreno. As Ilhas se tornaram famosas depois da antológica viagem do naturalista inglês Charles Darwin, criador da Teoria da Evolução das Espécies.
Galápagos revela, até hoje, uma assombrosa biodiversidade, configurando para uma multiplicidade de espécies animais muito particulares, que englobam as conhecidas tartarugas desta região, o habitat ideal. Esta vasta riqueza está sob a gestão do Equador, e constitui a maior oficina biológica de todo o Planeta. Em nenhum outro lugar do mundo é possível encontrar tantas variedades no que se refere à flora e à fauna.
Tudo nesta esfera contribuiu para criar este paraíso das espécies, desde sua localização, ao sul da linha do Equador, para onde se direcionam diversas correntes marítimas, até as temperaturas locais e a rara presença de predadores, incluindo o próprio ser humano. Isto possibilitou a inúmeros espécimes evoluírem e sobreviverem até os dias atuais, constituindo exemplares singulares, só encontrados neste ambiente. Aí também os turistas se deparam com os cenários mais exuberantes e diversificados.
Estudos indicam que as ilhas surgiram em meio ao Pacífico há pelo menos cinco milhões de anos, em consequência de erupções de vulcões localizados sob o mar. E são justamente os produtos destas convulsões que conferem ao arquipélago uma atmosfera extraterrena, com suas camadas de lava e rochas de origem vulcânica.
As Ilhas Galápagos são vistas inicialmente em duas cartas geográficas do século XVI, denominadas então Ilhas das Tartarugas. Seu primeiro habitante foi Patrick Watkins, um irlandês aí legado ao desamparo em 1807. Durante dois anos ele permaneceu neste local praticando a lavoura e permutando a colheita por garrafas de rum com os eventuais turistas da época. Em 1809 ele conseguiu deixar o local.
Galápagos foi legalmente ligada ao Equador em 1832, batizada então como Archipiélago del Ecuador, embora seu título oficial seja Arquipélago de Cólon. A fauna e a flora atingem as ilhas por meio do continente, fixando-se nos primordiais rios de lava que configuram as Ilhas Galápagos desde tempos ancestrais.
Desfilam neste território tartarugas imensas, iguanas marítimas e terrenas, lagartixas de lava, tentilhões, pinguins menores, as mais belas focas e simpáticos golfinhos. Além do mais, as ondas que formam os mares desta região levam os surfistas ao êxtase. Elas são consideradas magistrais pelos especialistas. Por tudo isso e muito mais a Unesco decretou as Ilhas Galápagos como Patrimônio Natural da Humanidade.
Ana Lucia Santana