terça-feira, 25 de outubro de 2011

POPULAÇÃO AFRICANA

A África é um continente relativamente pouco povoado: sua densidade demográfica é de cerca de 17 habitantes por quilômetro quadrado, só superior à da Oceania. As zonas desérticas, as montanhas da África oriental e o litoral ocidental sul são regiões praticamente desabitadas, enquanto que as costas mediterrâneas e do golfo da Guiné, os planaltos orientais e os litorais do sul e do sudeste do continente abrigam as maiores concentrações humanas, com densidades que, no entanto, quase nunca ultrapassam cem habitantes por quilômetro quadrado. A estrutura demográfica do continente africano se caracteriza pela alta taxa de natalidade, parcialmente compensada por uma mortalidade infantil também bastante elevada, embora esta tenda a diminuir com a progressiva introdução de medidas higiênicas e de assistência médica. Por conseguinte, o crescimento vegetativo é rápido (cerca de três por cento ao ano).
A população do continente se divide, étnica e culturalmente, em dois grandes grupos, separados pela barreira geográfica do Saara. Ao norte fica a África branca, composta de povos de raça mediterrânea misturados em alguns casos com elementos negróides; as principais sub-raças brancas são os grupos caucasóides (berberes do Atlas, cuchitas etíopes) e os semitas (árabes). Ao sul do Saara, a África negra compreende vários grupos principais: os pigmeus das selvas equatoriais, de baixa estatura (menos de um metro e meio) e traços mongolóides; o grupo khoi-san, localizado nos desertos e planaltos meridionais e compostos por bosquímanos e hotentotes, também com traços mongolóides; os sudaneses das savanas da zona boreal, altos e esbeltos; e os bantos da África central e austral, que são os mais numerosos. Outras sub-raças locais são as dos guinéus, baixos e de pele clara, os nilóticos, muito altos, e os etíopes, fruto de uma antiga mestiçagem entre povos de raças branca e negra. No continente africano há também vários milhões de habitantes de origem européia, localizados sobretudo na África do Sul, no Zimbábue e na zona mediterrânea. A ilha de Madagascar é habitada por malgaxes, de raça mongolóide.
O árabe, com seus muitos dialetos, é a língua oficial em toda a zona setentrional de raça branca, mas também se falam idiomas camitas no Atlas (berberes) e no Saara (tuaregues). As línguas nígero-congolesas e, sobretudo, o banto, com grande diversidade de dialetos, são as predominantes na África negra, ao lado das nilo-saarianas e das khoi-san. Línguas importantes são o suaíle, dialeto banto utilizado como língua comercial na África oriental, o africânder (República da África do Sul) e ainda o inglês, o francês e o português, oficializadas em vários países carentes de uma língua local de uso generalizado pela população.
Os três principais tipos de crenças religiosas professadas no continente africano são o islamismo, espalhado por toda a zona setentrional e parte do planalto sudanês e da Somália; o cristianismo, difundido por missionários de diversas igrejas nas regiões da África central e meridional; e o conjunto de religiões animistas praticadas pela maioria da população negra.
Fonte: Enciclopédia Barsa.


Nenhum comentário:

Postar um comentário