quinta-feira, 20 de outubro de 2011

CALOR NO ARTICO

No Ártico, a quantidade de calor proveniente do Sol aumentou quatro vezes nos anos 1979-2009. Os dados foram divulgados em março de 2009, num encontro em Copenhague, Dinamarca. Os dados foram adquiridos através de estudos feitos pela NASA com imagens de satélite.
A causa seria a perda de superfície branca de gelo, pois a sua perda também acelera o processo de derretimento. Os estudos da Nasa foram avaliados a partir de imagens obridas desde 1973 , em áreas próximas do Alaska. Enquanto as placas brancas congeladas refletem a luz solar, o mar (derretido) absorve calor e contribui para o derretimento da calota.
Entre 1998 e 2008, por exemplo a perda de gelo na superfície durante o verão fora 26 % acima do normal, nas décadas anteriores fora de 4 %. Na questão do aquecimento global, a região do Ártico pode estar sofrendo no estágio de “ponto de virada”, estágio no qual a situação não pode mais ser revertida.
O estágio de colapso seria a perda total de gelo na época do verão, cuja perda de gelo está prevista em 40 %, o gelo do oceano Ártico deixaria de existir nas épocas de verão. Até 2030, as calotas poderão deixar de existir, mas tem-se esperança no processo de recuperação do sistema da região.
Fernando Rebouças.


Nenhum comentário:

Postar um comentário