quarta-feira, 28 de setembro de 2011

BAÍA DE HUDSON

Localizada numa das zonas mais setentrionais da América, a baía de Hudson apresenta condições naturais que tornam muito difícil a vida humana. Isso não impediu que o equilíbrio ecológico da região se tenha visto ameaçado, razão pela qual o governo canadense, preocupado com sua conservação, declarou a baía mare clausum (mar fechado).

A baía de Hudson é um mar interior do norte do Canadá, que se comunica com o oceano glacial Ártico pelo canal de Foxe e com o oceano Atlântico pelo estreito de Hudson. Com superfície de 819.000km2, tem profundidade máxima de 270m. Na zona meridional, a baía de Hudson se prolonga na de James.

O litoral é baixo e pantanoso, exceto no leste e no nordeste, de costa alta e escarpada. O solo costeiro está permanentemente gelado (permafrost), o que dificulta o desenvolvimento de vida animal ou vegetal. Ao sul da baía de James aparecem bosques de coníferas, mas a beira-mar é coberta de musgos e liquens entre os quais crescem alguns salgueiros anões e álamos. A fauna apresenta espécies típicas dessa latitude, como focas, morsas, baleias e ursos polares.

O clima da baía é muito frio, com média anual de-12o C. A mínima, em janeiro, pode chegar a -51o C, e a máxima, em julho, a 26o C. A baía também se caracteriza pela contínua presença de nevoeiros no verão e no outono, além de fortes ventos e tempestades de neve durante o inverno. Muitos rios desembocam na baía, como o Churchill, o Nelson e o Severn. Na baía de James desembocam o Albany e o Moose. As águas também chegam à baía pelo canal de Foxe e saem pelo estreito de Hudson.

Por causa das condições naturais desfavoráveis à ocupação humana, a densidade demográfica é muito baixa. A população, composta principalmente de ameríndios, da costa ocidental até a margem oriental da baía de James, e esquimós, no norte, vive da pesca do salmão e do bacalhau e da caça de mamíferos marinhos.
Fonte: Enciclopédia Barsa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário