quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

RECICLAGEM

Soluções para o problema do lixo
São grandes os problemas gerados pelo lixo que produzimos diariamente em quantidades imensas. Atualmente, costuma-se dizer que os inconvenientes do lixo podem ser solucionados a partir da regra dos quatro Rs: reduzir, reutilizar, reciclar e repensar.
Reduzir e reutilizar são soluções que acontecem quase paralelamente. Trata-se da redução da quantidade de lixo produzida, principalmente evitando produtos descartáveis e dando preferência aos que podem ser reutilizados. Ao mesmo tempo, a questão implica também a melhor utilização dos diversos objetos de que nos valemos no dia-a-dia, para adiar sua transformação em lixo.
Por exemplo, muitas coisas podem ser consertadas, em vez de serem jogadas fora. Da mesma maneira, nunca se deve utilizar só um dos lados de uma folha de papel. Um brinquedo velho pode ser doado para uma criança pobre, assim como roupas velhas, etc.

Cultura do consumismo
Essa iniciativas, no entanto, esbarram em hábitos culturais muito arraigados - vivemos na civilização do desperdício - e também em interesses econômicos, uma vez que grande parte da indústria se voltou para a produção de coisas descartáveis
Veja o caso dos celulares, por exemplo, e se pergunte: por que são lançados a todo momento novos modelos, cada vez mais sofisticados? Trata-se de uma estratégia das indústrias para incentivar o consumidor a trocar de aparelho com frequência e, assim, consumir mais.
Na verdade, o marketing moderno já desenvolveu até um conceito - o de obsolescência programada - que significa justamente criar coisas que rapidamente se tornem ultrapassadas e precisem se substituídas por modelos mais recentes.
Reduzir e reutilizar, então, contrariam o próprio modo de organização econômica da sociedade em que vivemos.

Repensar e reciclar
O problema do lixo - assim como os diversos problemas ambientais relacionados à organização socioeconômica da humanidade - devem ser constantemente repensados - daí outro dos "R", para que se encontrem novas soluções que minimizem o problema - cuja solução definitiva pode até não existir.
Por outro lado, o "R" de reciclagem, ao menos até o momento, tem se revelado muito eficaz e já tem produzido uma série de resultados concretos em diversos lugares do Brasil e do mundo. No entanto, um projeto de reciclagem em grande escala também se vê limitada pelos interesses econômicos. A indústria, de um modo geral, só tem se interessado na reciclagem de materiais que dão lucro.
De qualquer modo, isso acarretou basicamente a reciclagem dos seguintes materiais: alumínio, plásticos, vidros, papel e papelão. Vale a pena examiná-los separadamente, com mais detalhes.

Como separar o lixo
• Alumínio: o metal é fabricado a partir do minério de alumínio, conhecido como bauxita. Gasta-se tanta energia elétrica para produzir alumínio a partir da bauxita, que o reaproveitamento de latinhas de refrigerantes, por exemplo, representa uma grande economia;
• Plásticos: a partir da década de 1950, a utilização dos plásticos aumentou exponencialmente. Em especial no mercado de embalagens, devido ao seu baixo custo. No entanto, só agora vem crescendo o interesse pelo reaproveitamento do plástico. Separados, moídos, diluídos, secos e aglutinados, objetos de plástico podem virar novos objetos, como solas de sapatos e tênis, baldes, mangueiras, etc.;
• Vidros: o vidro é um material totalmente reciclável, a partir de uma tecnologia simples e barata. O vidro novo, obtido a partir da sucata de vidro, mantém excelente qualidade, além de reduzir significativamente a energia térmica necessária para a produção do material;
• Papel e papelão: o papel é feito basicamente a partir de fibras de vegetais. Para produzir uma tonelada de papel, gastam-se cerca de 100 mil litros de água tratada, muita energia e mais de 50 árvores adultas. A reciclagem de papel permite economizar em média 70% de energia e evita o abate de cerca de 30 árvores.
O entulho de construção - em geral retirado das obras e depositado clandestinamente em locais inadequados - poderia servir de matéria-prima para novos componentes de material de construção de qualidade comparável aos produtos tradicionais. Com o entulho, podem-se produzir areia, brita e outros materiais para uso em pavimentação, contenção de encostas, e usos em argamassas e concreto. Sem falar em blocos, briquetes, tubos para drenagem e placas.

Lixo orgânico
O lixo orgânico também pode ser reciclado. Usinas de compostagem transformam os dejetos orgânicos em adubo, mas o processo tem um custo alto que dificilmente é coberto com o dinheiro arrecadado com a venda do produto. Por outro lado, o gás metano proveniente da decomposição do lixo orgânico pode ser utilizado para gerar enernia elétrica a baixo custo.
No bairro de Perus, na cidade de São Paulo, a Usina Termelétrica Bandeirantes (UTE) é uma das maiores do mundo entre as que geram energia a partir do biogás. Com as 7 mil toneladas de lixo coletadas diariamente e levadas para o aterro sanitário ao lado da UTE, ela gera a energia utilizada por cinco prédios administrativos do grupo Unibanco, que é o concessionário da usina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário